Década perdida

Partilhe esta página





Década perdida para Europa e E.U.A :

 

O Nobel da Economia Joseph Stieglitz diz que as políticas de resposta à crise, em particular a austeridade, estão a falhar.
E prevê «uma década perdida para a Europa e Estados Unidos».

«A austeridade não tem funcionado e não vai funcionar», disse Stieglitz num debate temático de alto nível sobre a situação da economia mundial, na Assembleia-Geral das Nações Unidas.

«Nenhuma grande economia alguma vez recuperou com programas de austeridade de um abrandamento ou recessão económica, e muito menos da magnitude que enfrentam hoje a Europa e Estados Unidos. E estas são ambas grandes economias», adiantou o Nobel da Economia, citado pela Lusa.

Para Stieglitz, as reformas estruturais em curso não vão tirar a Europa da recessão em breve, e quando «mal desenhadas ou aprazadas, podem até exacerbar os problemas», afectando a procura global, que deveriam estar a estimular.

 

Mercados   estiveram na origem da crise e estão a falhar novamente:

Na génese da crise, afirmou, esteve a «falha dos mercados», que levaram a bolhas especulativas, e «hoje os mercados estão a falhar outra vez».

«É claro que os mercados não estão a usar os nossos recursos bem. E os nossos governos estão a falhar na correcção destes desequilíbrios dos mercados», afirmou.

«Meia década depois do rebentar da bolha, as economias não estão reparadas e não parece que regressarão ao normal em breve», sublinhou Stieglitz.

 

Lembrando os anos 1980 na América Latina, considerada uma década perdida devido a uma acumulação de políticas erradas, o economista defendeu que «esta será a década perdida para a Europa e Estados Unidos, como resultado de más políticas».

No pico da crise, há 4 anos, Stieglitz presidiu a um grupo de peritos convocado pelo presidente da Assembleia-Geral da ONU, para preparar um relatório com propostas para resposta à crise.

O seguimento destas propostas «não foi tão longe» como deveria, afirmou, no combate à desigualdade e em particular na reforma dos mercados financeiros, que não regressaram a um patamar «estável e sólido».

Stiglitz defende um papel central das Nações Unidas na coordenação deste tipo de políticas, através de um «Conselho Global de Coordenação Económica, guiado e   informado   por grupos de peritos».

«A necessidade destas reformas hoje é mais clara ainda. O custo de atrasos será elevado, especialmente numa economia global frágil», sublinhou.

 

fonte: Agência Financeira.

 

 

 

 


***