Mamografia causa cancro?

Partilhe esta página





Dr Sergio Vaisman

Por Dr. Sérgio Vaisman  :  Médico, especialista em Cardiologia e Nutrologia e se dedica à prática de Medicina Preventiva.
Professor de pós-graduação nas áreas de Bioquímica e Bio-molecular, autor de várias publicações científicas.
Profere aulas em Universidades de Portugal e Itália.

 

Há mais de 60 anos que se sabe que exposição a radiações aumenta riscos de cancro de mama nas mulheres. Frequentes exames de RAIOS-X contribuem para o desenvolvimento de cancro de mama após cerca de 10 anos de exposição.

As mamas são constituídas de tecido extremamente sensível às radiações e estas causam cancro devido a lesões nos cromossomas no interior das células dos canais que eliminam o leite.

Com cada dose de irradiação, mesmo que pequena, uma certa quantidade de dano afecta os genes e algumas enzimas reparadoras conseguem recuperar a maioria das estruturas lesadas mas alguns sectores das células permanecem irreparáveis e, com subsequentes doses de raios X, mais danos se acumulam.

"Após 10 anos submetendo-se a mamografias a cada ano, uma quantidade considerável de danos aos genes ocorre”

As mulheres que possuem riscos hereditários para desenvolverem a doença são mais susceptíveis por terem mais chances de possuírem estruturas genéticas irreparáveis.

Alem da tendência hereditária, a exposição a muitas substancias carcinogénicas (capazes de provocar cancro) tais como pesticidas, herbicidas, doenças inflamatórias das mamas, somando-se à malnutrição e deficiências imunológicas, a chance de contrair a doença passa a ser muito maior.

- Um novo estudo realizado na Holanda confirmou o que muitos já afirmavam, isto é, que mamografias repetidas facilitam a instalação do cancro de mama nas pessoas com maior tendência.

 

Foi comprovado que a radiação pela mamografia acumula-se a cada exame e quanto maior o dano aos cromossomas, mais agressivo é o tumor e, consequentemente, mais mortal a doença.

Infelizmente, a classe médica passa a mudar os seus conceitos a partir da constatação de problemas mais sérios que raramente são questionados até que surja uma evidência que demonstre que um medicamento ou método de exame seja comprovadamente nocivo.

Aí, tudo muda e, como “bois de manada”, os profissionais da saúde voltam-se para outro lado, seguindo os novos parâmetros ditados pela Ciência e pelos que a comandam.

O que não se pode esquecer é que a Ciência é mutável e nela não existe unanimidade.

Vamos ver o que dirão os profissionais que sempre defenderam a mamografia como ÚNICO método seguro para a detecção precoce do cancro de mama às suas preocupadas pacientes.

E assim, “La Nave Va...”, até que novos conceitos promovam mais e mais mudanças.

 

Links sobre o assunto :

Medicina , saúde e Vida.

O perigo das mamografias . Jessica Fraser.

 

mamografia      

 

 

 

***